sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Seu sorriso


Hoje eu vi seu rosto depois de muito tempo sem um simples vislumbre. (Hoje) Você apareceu como uma lembrança distante daquela rede social que sempre traz as memórias de anos atrás. Eu não resisti e dei um simples clique em seu nome. No mesmo instante senti um aquecimento em meu coração. Uma saudade que já havia sentido muitas vezes antes. Eu vi seu sorriso. E acabei sorrindo com você.
Senti saudade desse sorriso que me conquistou quase que imediatamente. Do sorriso que eu não via com frequência, mas que eu podia ouvir em cada conversa no Skype, em cada palavra engraçada, em cada frase que demonstrava o sentimento que tínhamos um pelo outro.
Sinto falta do seu sorriso. Das fotos enviadas de seu arquivo pessoal, aquelas nunca compartilhadas com ninguém. Fotos que me pertenciam naquele momento, como se você as tivesse feito só pra mim. Aquelas fotos com o seu lindo sorriso...
Sinto falta do tom da sua voz. Tímida. Também sinto falta de acordar bem cedo e já ter algum SMS seu me desejando bom dia ou dizendo que sentia minha falta. Às vezes sinto saudade das palavras que você me disse e que, no fim, foram apenas palavras.
Eu te amei.
Você se silenciou.
E então nunca mais pude ouvir seu sorriso.

domingo, 21 de maio de 2017

A época em que ficamos juntas


Ontem eu descobri que você se apaixonou por mim na época em que ficamos juntas. Eu também estava me apaixonando, só tinha medo de admitir isso. Você conhecia as dificuldades da época, os medos que nos cercavam e as novidade que encontramos no meio do caminho. Tudo o que sentimos era algo sensacional de se viver, mas era proibido. Pelo menos, naqueles tempos. Será que hoje estaríamos dispostas a viver novamente a mesma paixão adolescente? Porque, meu bem, sei que nos amamos e sei que essa paixão louca nunca morreu. Ela só se manteve escondida dentro de nós durante todos esses anos, esperando o momento certo de ser despertada. Nossos beijos escondidos sempre foram a prova disso: pequenos lampejos de liberdade, a ínfima saciedade de tudo o que poderíamos ter vivido, reduzidos a pequenos encontros de lábios que necessitam ser beijados. Até hoje quero continuar te beijando... Perdoe-me por aquela época, meu bem, eu realmente não quis te machucar. Hoje eu não quero te machucar. Nem nunca mais.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Um dia tudo será permitido


Antes de ele partir, ela apertou sua mão. O movimento leve após isso fez com que o contato entre suas peles cessasse. E ela não pode fazer nada, a não ser observá-lo se afastar. Ela queria ir atrás, correr até alcança-lo para então roubar-lhe um beijo, mas ela sabia que aquilo não seria permitido. Ela apenas o deixou partir, como fizera tantas vezes antes. Ela era uma pessoa que se permitia apaixonar, se entregava ao sentimento, mesmo sabendo que sentimentos quase nunca são correspondidos. Ela apenas pensava que deveria amar a vida e amar as pessoas que passavam pela sua. Mas com ele era diferente. Porque ele se entregava da mesma maneira. Mesmo que fosse proibido.

Ela o observou partir e decidiu esperar. Um dia, talvez, ele voltasse. Enquanto isso, ela se deixaria apaixonar mais vezes até que ele voltasse e dissesse que, finalmente, tudo seria permitido.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Apenas irei


Eu queria que você tivesse me beijado quando teve a oportunidade e, principalmente, quando quis. Lembra daquele dia nublado, a cidade totalmente deserta e nós dois conversando na rua? Te confesso que fingi que estava com medo de andar sozinha só para você dizer que me acompanharia naquela caminhada de dez minutos. A conversa fluindo e eu, como sempre, falando pelos cotovelos, coisa que só acontece quando me sinto à vontade com alguém. E me sinto extremamente à vontade com você...
Você devia ter me abraçado mais vezes durante essa semana. Não somente em momentos de despedida, mas sempre que quisesse. Porque teu cheiro é inebriante, tuas mãos percorrendo minhas costas me arrepiam, tua boca perto do meu ouvido me deixa com as pernas bambas e meus sentidos apenas querem mais de você. Querem tudo de você.
Você devia me chamar mais vezes para conversar. Apenas qualquer assunto que surgir, desde questões sobre "a vida, o universo e tudo mais", até "por que eu odeio salto alto?", simplesmente não me importa qual assunto abordemos, só quero ter o prazer de uma conversa civilizada com alguém que me agrada ouvir a voz.

Você não devia resistir aos seus sentimentos. Porque eu sei o quanto você deseja estar comigo e descobrir diversas coisas sobre tudo. E sei disso porque me sinto da mesma maneira, a diferença é que não quero resistir. Só estou esperando você me dizer uma única palavra e, então, eu apenas irei.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Agosto


Talvez o seu silêncio seja a minha redenção. O fim de uma história que nem ao menos deveria ter iniciado. Talvez eu diga que está tudo bem e aos poucos me afaste, porque eu sou frouxa e sei que não conseguirei ficar calada se algum dia voltares a falar comigo. Mas sei que devia te ignorar, fingir que não existe, porque, meu bem, a ficha finalmente caiu e eu percebi que sou uma mera segunda opção pra você. Sempre fui. Eu, que sempre tentei me valorizar, mas que nunca encontrei um cara que fizesse meu amor valer a pena. Fui bem idiota com relação a você, agora eu percebo isso...
Nossa saideira foi um beijo na bochecha e um abraço apertado naquele ponto de ônibus deserto, depois de tantas confissões, beijos e carícias trocadas. Aquele era o fim e eu realmente percebi enquanto voltava pra casa, só não sabia ainda o que era aquela sensação escrota dentro do peito. Mas é como disse Leo Fressato certa vez: “Beije-me com gosto ou deixe-me antes de agosto”. E, querido, agosto acabou de começar.