sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Olhos Fechados


Ela não quis abrir os olhos. Teve medo por pensar que, ao fazer esse gesto, tudo o que havia enxergado sumisse como as miragens do deserto. Manteve-se assim por vários minutos, até que sentiu o toque leve em seu rosto, e ela sabia que toda a reação de seu corpo, o arrepio de todos os seus pelos, o calafrio gostoso passando por sua espinha, era algo que desejava a tempos.
-Por que você não abre os olhos? - perguntou, a voz grave entrando como uma doce melodia em seus ouvidos. Ela continuou calada e sentiu a ponta dos dedos dele passearem lentamente pelos seus olhos. - Eu estou aqui e prometo que não vou embora. - sussurrou, a voz na base de seu ouvido. Toda a reação do corpo pequeno e frágil se intensificou e, lentamente, resolveu abrir os olhos. A visão do rosto dele foi esplendorosa. Ele a desejava de forma demasiada e seu olhar o condenava. Seu grande pecado... Naquele momento ela percebeu que nascera para ele e que nada poderia mudar o destino que lhe fora traçado antes mesmo de chegar ao mundo. Devagar, levantou a mão e tocou no rosto do amado, ainda sem acreditar que finalmente estava realizando vontades ocultas de longos anos. Ela mordeu o lábio inferior e o levou a loucura. Sem se aguentar mais, ele segurou-lhe pela nuca, puxando um pouco os fios soltos e roubou um beijo da boca que tanto cobiçara. Suas línguas se entrelaçando num doce ritmo desesperado. E, de repente, chegaram ao céu...

2 comentários:

  1. MUITO FODA! Se bem q poderias ter continuado, neh? Enfim. Aguardando ambar. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um dia quem sabe, eu continue esse conto com fatos reais -s
      Obrigada Lu *-*

      Excluir