quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Chuva de lágrimas


Fantasmas antigos retornaram ontem à noite. Fantasmas que venho lutando a anos, ignorando-os por completo. Não consegui contê-los, eles foram mais fortes do que eu. E novamente caí em prantos, como uma misera criança. A pose de macho alfa caindo e mostrando a mulher frágil que existe, que sempre existiu escondida de tudo e de todos. Mas ontem não. Ontem minha máscara caiu, mas ninguém além de mim a enxergou. Prender a dor só piorou ainda mais a situação, não conseguia pensar com tanta coisa atolada em minha cabeça. E tudo por causa de gestos, de gostos, de música... Mas as lágrimas ainda persistem como numa chuva torrencial, me engolindo inteiramente, sem dó nem piedade. Elas não querem parar...
Você virou um fantasma que ainda me persegue. E eu te odeio por isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário