domingo, 14 de outubro de 2012

Máscaras


                A pior expressão de se representar no teatro é a de felicidade. Dar um sorriso sem mostrar falsidade é algo complicado e só quem é bom no que faz, consegue evoluir. No meu rosto sempre existe um sorriso, eu sempre aparento estar feliz. A máscara teatral da felicidade raramente cai, mas é difícil mantê-la sempre, de tempos em tempos fico num estado de torpor que ninguém além de mim enxerga, porque eu só deixo isso acontecer a noite, no meio do escuro, onde a visão é limitada. Somente minha cama e meu travesseiro, companheiros de longa data, conhecem esse meu lado, porque eles são os únicos que merecem, os únicos que me aturam calados, sem tentar me atrapalhar ou ajudar, eles só estão lá para o que der e vier. Mas as vezes a felicidade não é somente uma mascara, ela está presente na mais linda forma; ela existe dentro de mim. Momentos, lembranças, palavras fazem com que acabe dando um sorriso sincero e verdadeiro, um sorriso envergonhado e raro. O sorriso que estou guardando para você. Enquanto espero, a máscara ainda existe presa, fixa, aguardando o dia de cair completamente e se despedaçar no chão.


Nenhum comentário:

Postar um comentário